Brasil | Buses
miércoles 05 de julio de 2023
“Aqui está a neoindustrialização”, diz Alckmin em fábrica de ônibus elétrico 100% nacional
Novas instalações da Eletro, em São Bernardo do Campo (SP), inauguradas nesta sexta-feira (2), vão produzir inicialmente 1.800 ônibus elétricos por ano, fabricados inteiramente no Brasil.
O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin
Compartí la nota

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, participou nesta sexta-feira (2), ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da inauguração das novas instalações da empresa de transporte sustentável Eletra-Tecnologia, em São Bernardo do Campo (SP).

“Aqui está a neoindustrialização”, disse Alckmin diante do prédio de 27 mil m² com capacidade para produzir inicialmente 1.800 ônibus elétricos por ano, fabricados inteiramente no Brasil.

O termo neoindustrialização vem sendo cunhado por ele e pelo presidente Lula para reforçar a prioridade do governo federal em fortalecer a indústria nacional em novas bases — com inovação, sustentabilidade e responsabilidade social.

“Agora a gente vê os ônibus elétricos, à bateria, e 100% feitos no Brasil. Aqui está a neoindustrialização. Inovação, pesquisa, desenvolvimento, engenharia nacional”, celebrou.

Alckmin elencou algumas medidas recentes do governo federal para alavancar esse processo, como o anúncio de R$ 20 bilhões, pelo BNDES, de linhas de crédito para inovação e digitalização; e o fortalecimento do biodiesel, com o aumento da mistura com diesel para 13%, e estudos para ampliar até 15%.

“E finalmente o top – que é o [ônibus] elétrico e brasileiro. Chassi, carroceria, motor, inversor e bateria [100% nacional]. E não tenho dúvida de que isso vai trazer conforto, transporte público de qualidade e preservar o meio ambiente”, disse.

O vice-presidente também destacou números positivos para a economia brasileira anunciados nesta quinta-feira (1/6): o crescimento do PIB nacional no trimestre, que aumentou 1,9% se comparado ao trimestre anterior, posicionando o Brasil entre os cinco países que mais cresceram no primeiro trimestre deste ano; e o recorde histórico no volume de exportações brasileiras para um mês de maio: US$ 33 bilhões de dólares, como anunciado pelo MDIC ao apresentar os dados da balança comercial de maio.

“Se pegar toda a série histórica, é recorde. E o saldo da balança comercial, US$ 11,4 bilhões, que vai ajudar muito o [ministro da Fazenda, Fernando] Haddad lá na economia, também é recorde na série histórica”.

O presidente Lula, em seu discurso, defendeu a renovação da frota de ônibus escolares, que estariam “muito velhas”, e explicou que, embora os ônibus elétricos tenham preços mais elevados do que modelos a diesel, a equação se inverte quando o veículo está em operação.

“No funcionamento dele, quando começa a operar, vai custar 73% menos que o a diesel. Por isso temos que apostar numa empresa brasileira”, defendeu.

A cerimônia de inauguração da fábrica contou ainda com outros ministros. Luiz Marinho, do Trabalho e Emprego, destacou que as novas tecnologias devem ser vistas como oportunidades de melhores condições de vida, e não de “processos que escravizem”, e que ofereçam geração de renda e justiça social.

Sobre a fabricação de ônibus elétricos totalmente nacionais, comemorou: “Isso faz parte da reconstrução do Brasil”.

Neoindustrialización - 1..jpg

Já o ministro dos Transportes, Renan Filho, informou que o Brasil passou recentemente a ser membro efetivo do Fórum Internacional de Transportes, e que isso possibilitará ampla discussão sobre a descarbonização da economia no segmento, que contribui com 24% das emissões de carbono atualmente.

“Para enfrentar essa agenda de redução das emissões, é fundamental que seja enfrentada no segmento dos transportes”, disse ele, lembrando que o Brasil é referência por sua matriz energética limpa.

Diretora e fundadora do grupo ABC, do qual a Eletra faz parte, Maria Beatriz Setti Braga lembrou das origens da empresa, responsável pelo primeiro ônibus híbrido elétrico, criado em 1997, que era o único em operação comercial no mundo.

“A Eletra nasceu de um sonho e hoje representa a maior empresa nacional de veículos elétricos, fazendo com que nossa produção se estenda para várias capitais”, afirmou.

Já a filha de Maria Beatriz, a atual presidente da Eletra, Milena Braga Romano, fez referência à neoindustrialização defendida por Lula e Alckmin em recente artigo para oferecer sua empresa como exemplo.

“Somos um bom exemplo da nova indústria que está nascendo no país. Uma indústria focada no transporte limpo e sustentável, na descarbonização da economia e na melhoria da qualidade de vida das cidades brasileiras”, afirmou. Além disso, reforçou que é uma indústria 100% brasileira, com tecnologia nacional, desenvolvida no Brasil por engenheiros e técnicos brasileiros.

Eletra — A Eletra-Tecnologia de Tração Elétrica é líder nacional em transporte público sustentável e anunciou a multiplicação de sua capacidade industrial com as novas instalações. No novo prédio, de 27 mil m², localizado na Via Anchieta, a empresa terá capacidade para produzir, inicialmente, 150 ônibus elétricos/mês, ou até 1.800/ano, com possibilidade de ampliar em 50% essa capacidade, dobrando turno, para 2.700/ano, caso haja demanda.

Os ônibus são inteiramente fabricados no Brasil, inclusive as baterias, com tecnologia 100% nacional.

A ampliação das instalações faz parte de um plano de investimentos de R$ 150 milhões, com objetivo de posicionar a empresa como líder latino-americana na produção de ônibus elétricos, gerando 500 empregos diretos nos próximos dois anos. A fábrica iniciou produção pré-série em 2022, e os primeiros modelos já estão em circulação em algumas capitais, como São Paulo, Salvador, Vitória e Curitiba.

Neoindustrialización - 5..jpg

Destacados.

Reformas. Los 9 puntos sobre electromovilidad que incluiría la Ley de Cambio Climático en México

La Cámara de Diputados de México se puso el objetivo de acelerar la transición hacia la movilidad eléctrica en el país. Para ello, se encuentra analizando la Ley General de Cambio Climático en busca de oportunidades de mejora. Aquí, Mobility Portal Latinoamérica recorre los ejes clave de esta iniciativa legislativa que quiere impulsar la electromovilidad desde el corazón del Congreso.