Brasil | Infraestructura de Carga
martes 15 de agosto de 2023
Ezvolt: «Não vejo investimentos significativos em carregadores CHAdeMO ou GB/T»
Easy Volt, startup de eletromobilidade brasileira, amplia o mercado de infraestrutura de carga no país. Rodrigo De Almeida, CRO da firma também conhecida como Ezvolt, conversa com Portal Movilidad sobre tendências e projeções no Brasil.
Brasil-Ezvolt
Ezvolt sobre tendências no setor de infraestrutura de carga no Brasil.
Compartí la nota

A Easy Volt oferece o serviço de recarga de veículos elétricos para condomínios residenciais, comerciais, CAPEX e OPEX na modalidade «Charge as a Service».

Rodrigo De Almeida, Chief revenue Officer (CRO) da Easy Volt, em conversa com Portal Movilidad, analisa as tendências em infraestrutura de carga no Brasil.

Ezvolt-

Rodrigo De Almeida, Chief Revenue Officer (CRO) da EzVolt, discute as tendências do setor.

A firma estabeleceu um marco para o setor com o posto 100% elétrico «Anália Franco» que permite 28 recargas simultâneas em AC e cinco recargas em DC.

Além disso, a sua linha de negócios B2C registou um crescimento de mais de 500% em relação ao ano passado.

A presença de marcas estrangeiras prejudicam as redes de carga no Brasil?

Não, o padrão CCS2 está consolidando sua posição de liderança no Brasil e nesse sentido não vejo investimentos significativos em carregadores CHAdeMO ou GB/T.

Com excepção dos fabricantes asiáticos JAC e Nissan, os restantes já adoptaram a norma CCS2, como é o caso da BYD e da GWM. 

Mesmo a Nissan abandonou o padrão CHAdeMO em favor do CCS no modelo Ariya. E em relação à JAC, grande parte dos seus utilitários já o utilizam. 

Além disso, penso que deveriam surgir mais hubs de carga rápida para atender as frotas nos grandes centros urbanos.

Você acha que deveria haver regulamentação sobre a infraestrutura de carga?

Esta é uma pergunta que divide opiniões. No início não era necessário, mas à medida que a frota cresce e o Brasil dá sinais claros de ter um enorme potencial de mercado, faz sentido implementar uma regulamentação tanto para a normalização da infraestrutura como para definir a questão fiscal do serviço.

Ezvolt-

Ezvolt oferece serviços de recarga para veículos elétricos em condomínios residenciais e comerciais.

O custo de acordo com quais parâmetros?

Já existem parâmetros de cobrança de recarga no mercado e há empresas que cobram por tempo, outras por kWh. 

Há também uma combinação desses critérios e eu acredito que o mercado é regulado e que o consumidor vai escolher o fornecedor que oferece a melhor relação custo-benefício.

E, nesse sentido, não acho que seja responsabilidade do Estado definir como deve ser a cobrança.

E tem de investir em redes de carga?

O Estado já cumpre sua função permitindo projetos de pesquisa e desenvolvimento em infraestrutura de recarga veicular. 

Em última análise, estes projectos aprovados pela ANEEL são financiados com dinheiros públicos, uma vez que os fundos atribuídos a estes projectos estão previstos nos orçamentos das empresas de electricidade e fazem parte da composição dos preços.

Com uma Estratégia Nacional o mercado poderia expandir-se?

Estou convencido disso. O mercado se expandiria muito mais rápido. 

Vejamos, o Brasil tem 60 milhões de veículos de combustão e só esse número dá uma idéia de como será a transição para veículos 100% elétricos. 

Que acredito que será gradual e coexistirá com outras tecnologias como híbridos de biocombustíveis. 

É evidente que com uma política governamental que promova a migração à eletromobilidade o Brasil seria protagonista nesta indústria no mundo ocidental.

Atualmente é rentável investir em redes de recarga no Brasil?

Dependendo do horizonte em que se espera o Payback, sim. Principalmente para atendimento de frotas e motoristas de aplicação.

Que segmentos Electrificarão rapidamente suas frotas e em quanto tempo se recuperaria o investimento?

O custo total de propriedade (TCO) de um veículo elétrico já é menor que o de equivalentes a combustão.

Portanto, qualquer usuário intensivo de veículos, ou seja, aqueles que percorrem 20 mil quilômetros ou mais por ano, já encontrará vantagens em trocar seus veículos por modelos elétricos. 

E isto independentemente do segmento de mercado. Mas aqui não se trata de recuperar o investimento no veículo, mas sim de recuperar a diferença de valor investida no modelo elétrico e gerar uma redução significativa de custos a partir de então.

E isso eu estimo que aconteça em aproximadamente 3 anos.

Ezvolt

Ezvolt oferece CAPEX e OPEX em uma base de «Cobrança como serviço».

Quais são os desafios da infraestrutura de recarga?

É necessário distinguir o ambiente urbano do rodoviário.

Nas cidades estamos relativamente bem servidos de carregadores AC. 

Aqui a maioria das recargas são feitas durante a noite, mas é necessário cuidar da capacidade elétrica dos edifícios, já que muitos não foram projetados para suportar múltiplos carregadores com uso simultâneo.

Felizmente EzVolt tem uma solução de carga compartilhada que aborda este problema.

Quanto às recargas rápidas o panorama também é bastante positivo. Há dezenas de carregadores DC em estradas da nossa empresa.

Mas o melhor é que existem investimentos por parte de empresas privadas fora do âmbito de projectos de investigação.

Em 2016 havia pouco mais de 200 veículos elétricos e plug-in e hoje temos pouco menos de 20 mil veículos 100% elétricos e cerca de 34 mil modelos de híbrido plug-in.

Quantos pontos de carga tem instalados?

Temos mais de 630 pontos de recarga entre públicos, semi-privados e privados. 

Nossa previsão de crescimento até o final de 2024 é de mais de 100% podendo chegar a 300% dependendo dos contratos que, vale esclarecer, ainda estamos negociando. 

Quanto aos pontos públicos, devemos triplicar nosso número até o final do ano com novas implementações nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Em que projectos está a trabalhar?

Atualmente estamos implementando novas estações de carga rápida na cidade de São Paulo. 

E como o nosso projeto Sandbox de estações de carregamento rápido foi aprovado, em breve vamos implantar vários locais de carregamento rápido também na capital Fluminense.

Leer más: 22 y 23 de agosto más anuncios de inversiones eMobility en México y Brasil

Destacados.

Electromovilidad y diplomacia. La estrategia «neutral» de México ante la rivalidad entre Estados Unidos y China

¿Hay ejes eMobility innegociables para una transición efectiva? Según ANPACT sí y están delimitados. Entre numerosos puntos, algunos entran en choque. Estados Unidos y China para México son aliados, aunque entre ellos, el conflicto geopolítico es de larga data. Aquí, un análisis de las claves que el país latinoamericano requiere de ambos países.