Brasil | Motos
martes 20 de junio de 2023
Marcas de motos elétricas no Brasil recebem injeção de capital e investem em produção local
Para acelerar a eletrificação da frota de duas rodas, as empresas brasileiras estão investindo fortemente para produzir motocicletas elétricas no país.
Marcas de motos elétricas no Brasil recebem injeção de capital e investem em produção local
Compartí la nota

Com contribuição de capital de fundos de investimento, a Voltz, Watts e Origin, todas as startups nacionais, já têm planos de abrir fábricas no Polo Industrial de Manaus (AM) para produzir em grande escala e popularizar motos elétricas no Brasil, o sétimo maior mercado de motocicletas do mundo.

Em maio do ano passado, o Motores Voltz, startup focado na mobilidade elétrica criada em Recife (PE), no final de 2019, recebeu uma contribuição de R$ 100 milhões em uma rodada de investimentos, liderada por Creditas, empresa especializada em crédito.

A quantidade era a injeção que precisava para poder dar resposta à alta demanda de seus modelos elétricos.

«A fábrica é um passo importante para ter escala e poder cumprir os pedidos de nossas motos elétricas», diz Renato Villar, CEO da Voltz.

A usina com mais de 12 mil metros quadrados na capital do Amazonas entra em operação no final de maio e terá capacidade para produzir 15 mil unidades por mês.

Até então, os três modelos vendidos pela Voltz, a scooter EV1 e duas versões do EVS, todos elétricos, foram produzidos em Suape (PE).

Além da montagem dos modelos, a instalação da fábrica em Manaus permitirá uma maior agilidade logística e a produção local de diversos componentes, como pedais, espelhos, pastilhas, discos de freio, entre outros, comenta Villar.

Também com o olhar no mercado elétrico, a Multilaser, uma das principais empresas de informática e eletrônica do país, adquiriu a empresa Paranaense Mobilidade elétrica Watts, por R$ 10,5 milhões, em março passado.

Entre os planos está uma linha de montagem na fábrica da Multilaser na capital do Amazonas para produzir scooters, patinetes e até uma moto elétrica, a partir do segundo semestre deste ano.

Watts W125: conheça a moto elétrica brasileira de R$ 20 mil - TecMundo

Criada em 2018 em Londrina (PR), a Watts já importava e vendia scooters e scooters elétricos em suas 22 lojas, distribuídas em dez estados e no Distrito Federal.

«Apesar de serem importados, todos os nossos veículos foram desmontados e testados aqui, no Brasil. Inclusive foram desenvolvidos e adaptados ao nosso mercado».

Em outubro do ano passado, a marca apresentou a W 125, um modelo que contará com um motor elétrico de 3.000 W para «andar» como uma moto de combustão interna de 125 cc, garante Gomes.

O público alvo serão motociclistas urbanos e profissionais que procurem uma moto que não contamine e que além disso não utilize gasolina ou etanol para circular.

MOTO ELÉTRICA WATTS W125 É NOVA OPÇÃO – Autoentusiastas

Segundo o fundador da Watts, a fábrica de Manaus já estava nos planos para poder produzir a moto elétrica no Brasil em grande escala, mas a aquisição pela Multilaser acelerou o processo.

» A produção deve começar no segundo semestre deste ano, quando o W-125 começará a ser vendido», revela Rodrigo Gomes.

O modelo custará R$ 19.990 com uma bateria e R$ 24.990 com duas. A autonomia total pode chegar a 180 quilômetros.

O preço e as especificações técnicas são muito semelhantes ao Voltz EVS, que já está sendo vendido. Ainda segundo o director comercial da Watts, a capacidade de produção da nova fábrica será de 50.000 unidades/ano.

Destacados.

Reformas. Los 9 puntos sobre electromovilidad que incluiría la Ley de Cambio Climático en México

La Cámara de Diputados de México se puso el objetivo de acelerar la transición hacia la movilidad eléctrica en el país. Para ello, se encuentra analizando la Ley General de Cambio Climático en busca de oportunidades de mejora. Aquí, Mobility Portal Latinoamérica recorre los ejes clave de esta iniciativa legislativa que quiere impulsar la electromovilidad desde el corazón del Congreso.